Doze questões sobre a magia no Império – Parte 1


O site io9, sugeriu essa lista de perguntas sobre o sistema de magia, para você pensar sobre o seu mundo de fantasia. Como o primeiro livro do Chamas do Império não fala muito sobre a magia em Qaran, resolvi responder este questionário para ajudar a dar uma idéia de quem são os maghoë (magos) e como eles agem nos limites do Império. Como o artigo acabou ficando muito grande, ele será dividio em duas partes. Você pode ler a segunda parte, clicando aqui.

FrankFrazetta-Sorcerer-1965

Histórico

Os praticantes de alta magia são chamados de arcanos, magos ou maghoë. A magia é uma verdade tão profunda em Qaran quanto são a luz do sol e o ar. Os antigos rentari já se utilizavam dela, através de feiticeiras e videntes. Assim como os eldani a executavam através do sistema que eles chamam de cantos, interferindo na Grande Canção do Mundo. Existem magos de diversos níveis e com diferentes filosofias em todas as regiões do planeta, mas foram os tallemari que desenvolveram a chamada alta magia, uma ciência avançada baseada nos princípios mágicos, e a espalharam através de suas caravelas. Por alta magia, eles consideravam a execução e também o estudo mágico, e eram bastante rígidos sobre o assunto, acreditando em sua superioridade absoluta sobre as outras civilizações.

1.   Como a Magia é aprendida e executada em Qaran?

A execução da magia depende de um arcano que possua os conhecimentos e a élan necessário. Élan é a energia potencial que existe no mundo. Tudo ao nosso redor possuí uma quantidade ínfima de élan, mas para a realização de uma magia o arcano precisa absorver élan em doses muito maiores. O conhecimento pode ser aprendido através de escolas mágicas, grimórios ou tutores. Sendo estes últimos os mais comuns. O aprendizado de uma magia é um processo longo e demorado que foi sistematizado dentro das grandes escolas e organizado em círculos, que levam das mais simples as mais complexas. A Academia Arcana Imperial possuí 9 círculos. Ao fim de cada um deles o aluno precisa ser idealizador de uma nova magia que é então executada e examinada por um conselho antes da sua aprovação. Os primeiros círculos são dedicados aos truques mais simples e ao aprendizado da manipulação da élan, os truques mais avançados lidam com transmutações e invocações de entidades diversas.

Toda magia possui três passos de execução. Concentração, Canalização e Materialização. É preciso um estado mental específico para a realização da magia, a maior parte dos erros mágicos acontecem por despreparo mental em lidar com o que vai acontecer. Chegando ao estado mental certo, é preciso canalizar élan para a realização mágica, a quantidade de energia pode interferir na magia, amplificando ou anulando o efeito esperado; por último vem a Materialização, que é quando a magia realmente acontece. Após a execução mágica, existe uma quarta etapa, chamada de arresto, que são os efeitos residuais que a magia causa ao mago e ao ambiente ao seu redor.

2.   Como ela é acessada?

A magia é uma ciência de manipulação da élan que pode ser registrada em pergaminhos, livros ou transmitidas verbalmente. A élan existe em tudo ao nosso redor, embora por vezes em quantidades mínimas. Teóricos deduzem que o élan seja criado através de uma interação entre os planos materiais e espirituais, uma forma que o mundo físico se espelha no mundo espiritual, o élan pode ser a conexão entre os dois planos. Existem três formas de se acessar a élan. Locais de poder, chamados de Fontes, objetos mágicos ou a pessoa sendo um mágico natural. Maghoë naturais tem a capacidade de absorver élan direto do ambiente ao seu redor, com uma velocidade que depende da densidade da energia do ambiente. Como a élan está intimamente ligada a força vital, um mago pode morrer durante a execução se calcular mal sua reserva de magia. Com descanso e meditação, um mago pode restaurar plenamente sua élan.

3.   Será que a magia tem vontade própria?

Os dhäeni acreditam que a magia nada mais é do que uma manifestação da Grande Canção do Mundo, um fluxo consciente de poder com quem eles são capazes de dialogar. Mas entre estudiosos da alta magia se tornou senso comum de que a élan é uma força como a luz, o calor ou o magnetismo, embora essa força tenha ímpeto próprio, como um rio, ele não possui inteligência ou controle sobre os caminhos que ele vai seguir e pode muito bem ser canalizada ou represada. Alguns praticantes mais supersticiosos, porém encaram sua relação com a magia de forma única e muitos dizem sentir uma inteligência que percorre a sua realização. Estas superstições são mal vistas pelos teóricos, por aproximar a magia da religião. Um praticante da alta magia precisa acreditar no próprio controle sobre o sobrenatural e não em ser guiado por uma entidade superior a ele.

4.   Ela é restrita pelo espaço e pelo tempo?

Toda magia possui uma ação no tempo e no espaço, enquanto consome a sua élan. Quando a energia se exaurir a magia para de funcionar. Existem alguns rituais capazes de aumentar a duração de uma magia. Basicamente, o mago cria um nó com um pedaço de espírito, capaz de absorver a magia ambiente assim como a presença de um mago o faria. Assim que se exaurir a magia volta a se carregar, embora haja uma perda de carga. Um exemplo desta espécie de nó, são as gemas élantari, embora as gemas não sejam capazes de absorver élan por si, são capazes de conservá-la por muitos anos, com pouca perda energética.

5.   O que a magia permite fazer?

Élan é a energia primordial do universo. É o potencial em estado bruto. Não existem limites reais para o que o élan pode fazer, embora existam limites para o que um maghoe possa alcançar. A manipulação deste tipo de energia é algo violento. A queima de élan em um determinado local pode dar início a reações em cadeia imprevisíveis, quando estas reações voltam para o maghoe, são popularmente chamados de arresto. Um arresto pode ser algo simples e inofensivo como uma aura ao redor da região da magia, ou complexa e mortal como atrair uma centenas de raios onde a magia acabou de ser executada. Lidar com o arresto é uma das tarefas mais difíceis de um maghoe. Como existem limites para o que um maghoe pode aprender, as magias foram divididas em especialidades, agrupadas de forma a facilitar seu estudo. A Academia Imperial de Artes Arcanas, divide seus ensinamentos em 10 especializações. Cada especialização não lida com um tipo de magia em específico, mas com formas de usar uma mesma magia para um fim diverso. Por exemplo, um estudioso pode usar uma magia de fogo tanto para curar um paciente (cura) quanto para por em movimento uma roda (deslocamento).

  • Elemental: Muitas das magias dos círculos mais baixos pertencem a essa disciplina que lida, basicamente, com o élan presente em toda matéria. Magias elementais são a base do ensino mágico. É através dela que o arcano aprender a absorver e manipular o élan a sua volta. Aqueles que se especializam nessa disciplina, porém conseguem realizar grandes façanhas.
  • Cura: os estudos desta área se dedicam a sanar as dores do mundo. Não apenas os males do corpo, como ferimentos e doenças, mas também os males da terra, como pragas e a seca. Conhecendo os mecanismos da vida, o arcano também pode corrompe-la.
  • Ilusão: especialidade de quem procura entender a relação dos sentidos com o mundo ao seu redor. Alguns dos maiores especialistas desta área dizem ter descoberto que o mundo que vemos é uma ilusão e que através da disciplina se pode enxergar o mundo real.
  • Visão: aqueles que estudam essa especialidade procuram por formas de enxergar para além dos sentidos humanos. Seja o passado, o futuro ou o que acontece a um continente de distância.
  • Transmutação: estuda a transformação de uma matéria em outra através do élan. Chumbo em ouro. Carne em cinzas. Água em vinho. Algumas mudanças podem ser permanentes, outras duram apenas enquanto o praticante está concentrado. Os praticantes dessa disciplina estão sempre forçando os limites sobre o mundo e sobre si mesmo.
  • Deslocamento: É a disciplina do movimento de pessoas e objetos através do espaço. Muito usada para a criação de autômatos e golens, também é usada para levitação de pequenos objetos.
  • Proteção: Esta disciplina lida com as formas de um praticante repelir ataques direcionados a ele, tanto com círculos de proteção, runas místicas e efeitos de repulsão. Magias de proteção são erguidas sobre exércitos em marcha, fortalezas em guerra e rituais espirituais. É a disciplina que acumula o maior número de embusteiros dentro dos ensinamentos mágicos. Magias de proteção são vendidas em feiras comuns, fazendo todo tipo de promessa, com resultados que variam do vago ao mortal.
  • Espiritual: Da projeção astral ao exorcismo de espíritos perdidos, esta é a disciplina que lida com os caminhos que o espírito percorre neste e nos planos subjacentes a este. Também está ligado aos sentimentos e estados de espírito. É uma disciplina base para quem pretende estudar a conjuração ou a necromancia.
  • Conjuração: Esta disciplina produziu pouquíssimos estudantes ao longo dos anos. Os conjuradores são aqueles dispostos a abrir a porta entre os planos, invocando terrores que não deveriam pisar neste mundo. Os conjuradores lidam com entidades além do entendimento humano, deuses e demônios, capazes de levar o praticante a loucura com um simples olhar. São odiados pela maioria dos outros praticantes e mais ainda pelos religiosos que veem no seu estudo o rompimento de um tabu. Os homens não deveriam se intrometer no negócio dos deuses.
  • Necromântica: Essa disciplina foi proibida no império, embora ainda seja livremente praticada em outras regiões. Ela lida com os despojos dos mortos, invocação do espírito dos falecidos e a quebra das leis naturais da vida e da morte. É uma das disciplinas mais difíceis e seus praticantes são condenados a morte.

6.   Como ela se relaciona com os personagens, enredo e tema de Chamas do Império?

Os maghoë são uma força estratégica que não pode ser ignorada. Em uma batalha, eles andam entre os soldados, preparando feitiços e contra feitiços para proteger as tropas e atacar os inimigos. Estima-se que, 1 em cada 10 mil cidadãos do Império são estudantes de alta magia. Destes estudantes, 1 em cada cem chegam a completar todos os círculos ganhando o titulo de grande. Isso significa que existe um grande maghoë para cada 1 milhão de pessoas. Estes maghoë reunidos funcionam em um sistema de guildas, protegendo os próprios interesses. Todos os maghoë formados pela Academia Imperial, devem lealdade ao imperador. Ethron é um coen, uma especialização do ilusionismo, mas como ele é natural de Tallemar, não estudou na Academia Imperial.

veja o original em: 12 Questions to Ask Yourself About the System of Magic in Your Fantasy Novel.

Anúncios

2 Respostas para “Doze questões sobre a magia no Império – Parte 1

  1. Pingback: Doze questões sobre a magia no Império – Parte 2 | Chamas do Império·

  2. Pingback: Cenário : 13 Leis narrativas para a magia do império | Chamas do Império·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s